CHEGA é uma série baseada em um carimbo, propondo reflexão acerca da palavra e suas conotações, remetendo à saturação, à conexão ou à falta dela. Entre repulsa e atração, as peças se mantém abertas ao sentido, sem determinar quem carimba e quem é carimbado. Questionando o gesto burocrático e normativo, este carimbar se coloca sobre papéis e corpos, formando narrativas, impondo limites, pausas, processando de maneira protocolar ou passional o mal-estar vivido e criado por nós. Tempos estranhos e distópicos pedem pequenos e grandes respiros. CHEGA é um chamado para a atenção ao que nos cerca, ao que necessita ser mudado ou restaurado. Também é um basta, um protesto das muitas vozes silenciadas que sofrem abusos, descrédito, preconceito e violência.

publicação digital, edição da artista,

210 x 297mm, 54 páginas, 2020.

publicação digital, edição da artista,

gif, dimensões variáveis, 2020.

Mulika − Ingrid Etges Zandomeneco

 

@_mulika

Artista interessada em linguagem, ambiguidades, deslocamentos e na arte como espaço fora das narrativas sociais limitantes. Busca poéticas em suportes como pintura, escultura, escrita e caligrafia. Nascida em São Lourenço do Oeste/SC, graduou-se como Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e como Estilista pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atualmente é mestranda no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PósARQ) da UFSC. Integra a equipe técnica do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF), nos Departamentos de Desenho Urbano e Espaços Públicos e de Arte Pública, onde coordena a Comissão Municipal de Arte Pública (COMAP). Participou em 2019 da exposição coletiva “Toda paixão beira o caos, a do colecionador beira o caos da memória", no Memorial Meyer Filho, em Florianópolis.

fotoMulika.jpg